Arquivos do Blog

Galaxy S II ultrapassa a linha dos 10 milhões de aparelhos vendidos

Nós já falamos faz tempo, mas os números estão aqui para confirmar que o Galaxy S II, da Samsung, é o rei dos Androids em 2011. A empresa coreana anunciou que 10 milhões de aparelhos já foram comercializados. E o número dobrou em apenas dois meses.

Veja bem, 10 milhões de aparelhos vendidos é, para um smartphone  que sequer chegou ainda a alguns países, uma marca de respeito. Mas o número ainda está longe dos 20 milhões de iPhones vendidos no segundo trimestre. O que mais surpreende nos novos números é o boom dos últimos meses: até o fim de julho, o número era de 5 milhões de unidades. Em oito semanas, a Samsung colocou 5 milhões de Galaxy S II no bolso de seus clientes. E vale lembrar que o aparelho chegou recentemente aos EUA.

Com números altos dos dois lados, processos por quebra de patentes em diversos países e fim da relação até então amistosa, acredito que já podemos dizer que o mundo móvel tem uma nova e clara polarização entre duas empresas.

[gizmodo]

Android faz sucesso em lugares inesperados

Sabe este aparelho aí da foto, o Huawei Ideos? É um smartphone simples, com Android 2.2, tela de 2,8 polegadas, e câmera de 3,2MP, lançado no Brasil no final do ano passado  e que hoje custa no máximo R$300. E este preço baixo, que se repete ao redor do mundo, está fazendo o aparelho ter sucesso em lugares inesperados: no Quênia, país do leste africano onde 40% da população vive com menos de US$2 por dia, mais de 350.000 pessoas compraram o aparelho.

O Ideos custa cerca de US$80 por lá, e pelo preço baixo ele precisa ter um hardware menos potente. Bem, quando eu o usei na CES, o Android parecia rodar rápido o bastante – é com apps mais pesados que ele pode engasgar um pouco. A duração da bateria parece ser um problema também. Mas são problemas que não impedem o sucesso: assim como no Samsung Galaxy 5, smartphone com Android mais vendido do Brasil, o preço fala mais alto.

E a popularização do Android vem trazendo resultados louváveis: no Quênia, a conferência de empreendedores Pivot25 mostrou os apps para Android mais inovadores feitos no leste africano. O app M-Farm permite que agricultores divulguem os preços e localização dos produtos. Outro app para Android, desenvolvido pela Universidade Makerere, ajuda a diagnosticar doenças nas plantações e a rastrear sua propagação através de crowdsourcing. E o app MedKenya fornece um banco de dados com informações de saúde, e até ajuda a levar o usuário para o hospital mais próximo.

A Biovision, organização suíça sem fins lucrativos, também usa o Android para ajudar na sua jornada contínua de combater a fome e a pobreza utilizando métodos ecológicos e orgânicos. A organização está desenvolvendo um app para Android a ser usado pelos 200 funcionários de campo no Quênia e em outros países no leste africano, para melhorar a ajuda aos agricultores, que hoje resolvem dúvidas através de SMS. E o mais interessante: a Biovision vai subsitituir os notebooks do projeto One Laptop per Child por smartphones com Android, por serem menos volumosos e terem funções como câmera e GPS.

É bom ver que a popularização do Android está trazendo resultados tão positivos, e possibilidades tão interessantes. [gimodo]

iPad no Brasil: 30 mil aparelhos, 90% deles vindos do mercado cinza

Após uma semana do lançamento oficial do iPad no Brasil, o IDC liberou os primeiros dados oficiais sobre o número de aparelhos no país. São 30 mil tablets que, claro, não foram vendidos em apenas uma semana. Desse valor, apenas 10% corresponde às vendas oficiais. O resto são aparelhos que vieram do exterior, foram comprados no Mercado Livre ou afins, criando a enorme fatia do mercado cinza. Mas a expectativa é que a venda oficial aumente consideravelmente o número até o fim do ano.

Pelas contas do IDC, foram vendidos 3 mil iPads de forma legal nos últimos sete dias. A massa principal do aparelho é composta dos early adopters que já compraram o iPad desde abril, quando ele foi lançado nos EUA. Para o IDC, o número poderia ser bem maior, mas como temos um dos iPads mais caros do mundo, o preço proibitivo ainda é uma barreira enorme.

Ainda segundo o IDC, o Brasil deve fechar o ano com 50 mil iPads, impulsionado pelas vendas oficiais. Ou seja, a estimativa d’O Globo de que a Apple enviou 50 mil iPads oficiais ao país deve ser o bastante para aguentar a carga de natal. [Gizmodo]

Apple vende dois milhões de iPads

Dois milhões. Em menos de 60 dias. É um número muito, muito grande – com certeza algo bem distante dos 300.000 que a Apple vendeu no dia do lançamento. O número já considera o lançamento internacional do iPad na Europa, Canadá, Austrália e Japão.

E quando esse aparelho “mágico e revolucionário” chega por aqui? No release, a Apple diz que “o iPad estará disponível em mais nove países em julho, e em outros países até o fim do ano”, mas não cita o Brasil. Segundo rumores, o tablet chega oficialmente ao país apenas no segundo semestre. Por vias não-oficiais, ele já chegou faz tempo, se bem que comprá-lo no exterior – na verdade, encontrá-lo – está bem difícil.

O press release da Apple dá os parabéns para a Apple, e segue abaixo.

CUPERTINO, Calif., May 31 /PRNewswire-FirstCall/ — Apple® today announced that iPad™ sales have topped two million in less than 60 days since its launch on April 3. Apple began shipping iPad in Australia, Canada, France, Germany, Italy, Japan, Spain, Switzerland and the UK this past weekend. iPad will be available in nine more countries in July and additional countries later this year.

“Customers around the world are experiencing the magic of iPad, and seem to be loving it as much as we do,” said Steve Jobs, Apple’s CEO. “We appreciate their patience, and are working hard to build enough iPads for everyone.”

iPad allows users to connect with their apps, content and the Internet in a more intimate, intuitive and fun way than ever before. Users can browse the web, read and send email, enjoy and share photos, watch HD videos, listen to music, play games, read ebooks and much more, all using iPad’s revolutionary Multi-Touch™ user interface. iPad is 0.5 inches thin and weighs just 1.5 pounds-thinner and lighter than any laptop or netbook-and delivers up to 10 hours of battery life.*

Developers have created over 5,000 exciting new apps for iPad that take advantage of its Multi-Touch user interface, large screen and high-quality graphics. iPad will run almost all of the more than 200,000 apps on the App Store, including apps already purchased for your iPhone® or iPod touch®.

*Battery life depends on device settings, usage and other factors. Actual results vary.

Vendas de netbooks crescem menos em 2010: efeito iPad, já?

As vendas de netbooks seguem crescendo nos EUA, mas vem desacelerando desde janeiro, quando o iPad foi anunciado — e tem gente culpando mesmo o tablet da Apple por isso. Bem, o banco Morgan Stanley divulgou um relatório esclarecedor, que mostra que as vítimas do iPad são os netbooks, e os leitores de e-book, e os iPods… enfim, tudo. Acho que o iPad deixou todo mundo ansioso.

Ansioso pra comprar outras coisas, quero dizer. O gráfico é baseado em uma pesquisa com consumidores que estavam planejando comprar o iPad, e foi feita em março. A pergunta: o que você compraria, se não fosse um iPad? Em outras palavras, o que o iPad impediu você de comprar?

Ainda estamos para ver se as vendas dos dispositivos são mesmo afetadas pelo tablet da Apple, o que poderia demorar algum tempo, ou simplesmente poderia ser impossível de medir: a maioria dos dispositivos acima, como notebooks ou iPods, são vendidos em volumes enormes — muitas vezes maior do que o iPad deve chegar no futuro próximo.

Mas se o iPad continuar mesmo vendendo bastante, e tablets concorrentes fizerem o mesmo, as categorias que mais poderiam sofrer são interessantes: além de netbooks, o iPod Touch corre perigo, assim como os PSPs e DSs da vida. Os leitores de e-book já estão sob ameaça, mas eles nunca foram um grande sucesso, mesmo. [Fortune]

fonte: gizmodo


Entendendo o design industrial do iPad

Leia o resto deste post

%d blogueiros gostam disto: