Qual a receita de um bom blog?

Apesar dos “visionários” que afirmam que o blog morreu (e com isso ganham grande audiência em seus blogs) e da concorrência saudável com mídias mais recentes, acredito que ainda há muito a se escrever no formato blog.

Gosto muito de tropeçar em um novo blog que mereça ser seguido ou guardado nos favoritos, mas isso é cada vez mais raro.

Ao mesmo tempo, todos os dias muitas ideias boas chegam a este formato pelas mãos de autores criativos e preparados mas que infelizmente recebem e seguem conselhos errados, como fixar-se inicialmente em cativar os robôs dos sites de busca (SEO, monetização, etc.), guiar-se pelos números desde o princípio ou imitar o que já está sendo bem feito em outro blog (embora alguma atenção às duas primeiras dicas sejam úteis após um certo momento de maturidade).

Uma visão pessoal

Eu estou nesta estrada desde 1996 (antes mesmo do termo blog se consolidar) com o BR-Linux que, somado ao Efetividade consegue, num bom dia, atrair cerca de 50.000 visitas – e continuo acreditando que o que atrai o leitor é o conteúdo, e não a embalagem ou a tecnologia usada na exibição.

Quando estava criando o Efetividade, há cerca de 5 anos, contei com os conselhos de Merlin Mann, criador do blog 43 Folders (que me inspirou a criar este blog que você está lendo), que um pouco depois publicou uma pequena lista dizendo o que faz um bom blog, na opinião dele – e não era nada sobre SEO ou sobre reproduzir modelos, mas sim sobre servir de canal para a curiosidade do próprio autor e estabelecer uma relação positiva com o leitor.

Na época eu também publiquei uma versão adaptada da lista, mas agora que estou investindo algum esforço em um novo blog – o recém-inaugurado BR-Mac.org, resolvi revisitar a minha própria lista para calibrar minhas próprias ações, e percebi que em linhas gerais continuo achando tudo que já achava naquela época, embora alguns pontos merecessem revisão, e tivesse alguns pontos a acrescentar.

Assim como foi útil para mim, espero que sirva para vocês também – e se alguém for aproveitar os critérios abaixo em algum blog interessante, não deixe de me informar para que eu possa conhecê-lo também!

Note que a lista a seguir não é necessariamente uma pauta que eu siga integralmente – são os atributos que os bons blogs que eu acompanho possuem. Nem todos os bons blogs reunem todos os atributos, e nenhum deles pode possuir todos eles em grau máximo simultaneamente. Mas eles compõem bem o mix de cada um deles, e você também pode fazer o mesmo.

Vamos portanto à nossa lista renovada, e conto com seus comentários!

Os ingredientes de um bom blog

  1. Opinião e posicionamento: Você pode concordar – ou discordar! – do que está sendo dito em um blog bem escrito. Mas basta ler o primeiro parágrafo para perceber que aquele texto publicado contém a opinião de quem escreveu, não se limitando a narrar e listar os aspectos objetivos consensuais. A face está exposta e a voz do autor está ali, clara, com todas as suas tonalidades e timbres – não é aquela coisa neutra, sem cor, sem alma e sem graça. Para procurar a tal “neutralidade jornalística”, sabemos onde ir (e nem sempre encontraremos), mas não é ali. 
  2. Fruto de uma obsessão: Um bom blog passa claramente a imagem de que o seu conteúdo é sobre um assunto (ou conjunto deles) que interessa profundamente aos seus autores. Um tema que eles dominam, ou ao menos acompanham com paixão (ou no mínimo uma insaciável curiosidade), e querem compartilhar com quem desejar ler.
     
  3. Blocos ordenados de texto: Os melhores blogs usualmente apresentam basicamente texto, organizado em parágrafos, que lemos de cima para baixo e da esquerda para a direita, pulando as partes que não nos interessam, como faríamos com uma revista preferida. Seus autores podem até não ser grandes prodígios da escrita, mas ao menos se esforçam para redigir com clareza, usando as maiúsculas na hora certa, acentuação, pontuação e alguma atenção à gramática.
     

  4. Formatos alternativos: Ocasionalmente, um bom blog quebra a regra acima, e é composto primariamente de imagens, ou de slides, ou de listas de itens, ou mesmo de links. Mas, como se percebe nos melhores tumblrs e similares, o conteúdo é tão interessante, o tema é tão original, e o conjunto é tão funcional (ou harmonioso), que ele consegue atrair e manter a atenção mesmo assim. Mas essa regra é tão freqüentemente abusada por autores que têm preguiça de escrever, que acaba sendo um obstáculo até para os talentosos.
     
  5. Autenticidade: Além de expressar a sua posição, o bom blog não tenta disfarçá-la. Por exemplo, se ele está fazendo uma propaganda comercial em seu texto (os chamados “publieditoriais”, ou “posts pagos”), ele deixa isso claro, e o leitor pode aceitar ou não. Se ele é a favor de um determinado partido, ele não se finge de politicamente neutro. E assim, quando ele emite uma opinião a favor de uma idéia ou produto, você não tem dúvida de que é o que o autor realmente pensa, e não algo que ele foi pago para lhe mentir.
     
  6. Paciência: Mesmo que ocorram várias explosões de audiência, as probabilidades indicam que não é na primeira semana que a sua iniciativa pessoal vai conseguir destaques, parcerias, audiências diárias de 5 dígitos, etc. Isso não é razão para desanimar, mas sim para redobrar os esforços de chegar aos públicos interessados, até conseguir um crescimento sustentado que o leve ao nível de audiência que o seu tema merece!
  7. Seu diferencial: Mesmo quando está cobrindo o buzz ou a grande notícia do dia, o texto dele tem algo que vai além do que os outros blogs do mesmo campo de atuação, e com acesso ao mesmo conjunto de fontes, puderam oferecer. Ou chega mais cedo, ou é mais amplo, ou tem opiniões mais balanceadas, uma expressão mais refinada, ou uma análise mais específica, ou inclui links para mais fontes interessantes, ou a ilustração é fora do comum, ou tantas outras formas de se destacar pela qualidade.
     
  8. Você às vezes discorda deles: Isso é uma conseqüência do primeiro item: o bom blog expressa opinião. E por isso às vezes você discorda do que ele diz sobre seu software preferido, sua empresa dos sonhos ou sobre uma ou outra técnica que recomenda. Mesmo assim, você continua a ler, porque até a discordância é interessante, e as fontes dele merecem ser consideradas. E se o blog for bom mesmo, você pode até se motivar a dialogar com o autor, não para algum dos 2 mudar de opinião, mas porque a discussão enriquece a experiência.
     
  9. Ele não fica tentando discordar dos outros pra agradar você: Quando o autor nunca se arrisca a dizer nada que ele genuinamente acredite, por medo de desagradar a uma parte da sua audiência, seu produto pasteurizado passa a ser embalado e colocado no freezer, e não consumido em grandes doses. Ter voz e provocar discordância ocasional é bom. Mas o extremo oposto também é chato: passar os dias inventando maneiras de provocar ou ofender determinadas classes do público, porque sabe que isso dá audiência, pode até dar resultado para o autor que está mais atento aos números do que ao conteúdo, mas não faz um bom blog.
     
  10. Você quer dar continuidade aos assuntos: Os posts de um blog bem escrito deixam o leitor com vontade de continuar acompanhando, além de espalhar e discutir o assunto, levando-o ao seu próprio blog, ao Twitter, encaminhando para o e-mail dos colegas, ou mesmo colocando o assunto em pauta na mesa do almoço ou do bar. Ou mesmo com aquele velho hábito, hoje em extinção, de comentar no próprio blog em que o texto foi publicado 😉
     

  11. Ele erra de vez em quando. E assume. Para fazer o que não foi feito ainda, qualquer empreendimento tem que contar com a disposição de arriscar, e eventualmente errar. Um bom blog de vez em quando lança alguma novidade que não atrai interesse nenhum, cria uma promoção que é um fracasso, tenta fazer algo que acaba não decolando. Mas ele não varre nada disso para baixo do tapete: o assunto é exposto, discutido, e serve para que os envolvidos aprendam e evoluam, e acertem mais na próxima vez.
     
  12. Ele dá crédito generosamente: Generosamente no sentido de ir além da mera obrigação. Num bom blog, se uma idéia é inspirada no trabalho alheio, isso é mencionado claramente e com todas as letras. As fontes das novidades são referenciadas e linkadas apropriadamente. A colcha de retalhos é formada com peças cuja origem é conhecida e divulgada.
     
  13. Ele tem ritmo: Os leitores sabem o que esperar: um post por semana, 10 posts por dia, posts ilustrados, posts sérios, posts com fina ironia, etc. Um bom blog estabelece seu próprio ritmo, e depois o segue.
     

  14. Ele sabe quando quebrar as regras: Eventualmente o autor faz um post fora do seu tema central, se engaja em uma campanha alheia, publica um link ou imagem sem contexto, deixa de expressar sua opinião, conta com a capacidade do leitor ler o contexto. Ele sabe quando fazer isso, o faz de forma ética, e sem interromper o fluxo usual.

[Efetividade]

Anúncios

Publicado em 07/04/2011, em Noticias e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: